Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

09
Mar17

O alimento do amor.

Joana

Se calhar, sou eu que complico. Gosto do amor simples, tranquilo e reconhecido. Gosto dos pequenos gestos e dos grandes gestos. Gosto de ser alvo de atenção de quem gosta de mim e retribuir em dobro o que recebo. Gosto de me sentir acompanhada e saber que tenho sempre um porto seguro, sem ondulações desmedidas. Gosto de me sentir amada. Gosto de sentir o reconhecimento dos outros. Gosto muito de ver felizes as pessoas que me importam. Gosto de romantismo. Gosto de palavras; aliás, gosto muito de palavras. E gosto da gratidão no amor.

 

Se calhar, dou demasiado valor à gratidão. Sou bastante reconhecida com quem me faz bem e fico mesmo muito magoada quando não o fazem comigo. Sou naturalmente cuidadora dos meus e tenho um instinto de proteção bastante apurado com aqueles que amo e a quem quero bem.  Isto, que sempre considerei como uma das minhas melhores qualidades, é vista, por vezes, como defeito pelos outros. Há quem não queira ser cuidado e quem não esteja na mesma sintonia que eu. Por forma a conseguir lidar com isso, obrigo-me a, por vezes, ajustar-me, porque também reconheço que nem todos têm de ser como eu. No entanto, ao levar as coisas nestes termos, não estou a ser completamente fiel a mim mesma e estou a negar aquilo que - continuo a afirmar - é uma das minhas melhores características. Não vou ser hipócrita e dizer que o faço sem esperar nada em troca. Claro que espero. Espero o mesmo cuidado e atenção, espero a mesma preocupação em que eu esteja bem. Eu e toda a gente, só que poucos o admitem. Isso é o verdadeiro amor, para mim. Dizer que se gosta dos outros não chega, se o resto faltar. Amar é reconhecer, é deixar-se proteger, é aceitar que de fora pode vir uma nova forma de ver as coisas. É ser reconhecido e aceitar que a pessoa que cuida de nós o faz por amor, por respeito e até, por vezes, por necessidade. E a gratidão alimenta o amor. Ser-se reconhecido e grato é um princípio para a felicidade, seja em que âmbito for. Nem todos somos iguais na forma de lidar com as coisas, mas a gratidão, essa, deveria ser constante e eterna para com quem nos faz bem. Seja nos casamentos, nas amizades ou nas relações de trabalho. Importa ter isto em conta. Esse é o maior valor do amor

2 comentários

Comentar post

Eu.

foto do autor

Instagramem-me!

@joaninha_me