Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

20
Out17

Somos capazes de sentir a nossa própria maturidade?

Joana

Sim, somos. Ao contrário do que eu imaginaria, somos mesmo. E refiro-me à psicológica, naturalmente, que a outra a Natureza faz para que, queiramos ou não, nos demos conta que existe e está lá (Vivam as rugas! E os cabelos brancos! E os problemas de costas! E...).

 

Mas centremo-nos na maturidade psicológica.

Falo disto, porque cada vez mais me apercebo do que não gosto e do que me deixa desconfortável e consigo perceber que isso se relaciona com o facto de eu estar, de facto, numa fase diferente da das pessoas que me fazem sentir assim. Não é mania, não é achar-me superior a nada ou a ninguém - é, simplesmente uma constatação. De início, quando esse desconforto me surgia, dava por mim a pensar que eu deveria estar mesmo numa fase mais desinteressada e que o problema até poderia estar em mim. Mas aos poucos vou-me apercebendo que não. Dou por mim agora e várias vezes a ver comportamentos de outros que me perturbam por serem desadequados à idade ou à condição e que, se fosse há uns anos, me mereceriam alguma indignação, revolta ou até reação; no entanto, e neste momento, apenas me merecem uma apatia e um silêncio. Acontece em vários contextos da minha vida e não consigo reagir de outra forma [continuo a achar que o ignorar e levar a mente para outros lados é a melhor estratégia contra o que me irrita.] Fico contente por ter esta capacidade, mesmo que isso me leve a ser entendida pelos outros como uma pessoa seca, choca ou apática. Mas - lá está! - essa é outra das mais-valias de crescer: o facto de eu me estar a marimbar para o que as pessoas que eu considero não agirem de forma correta e coerente acham ou deixam achar de mim e da minha seriedade.

 

 

Importa quem está e quem me faz bem. Nada mais.

O resto é apenas e só música de fundo.

 

 

Eu.

foto do autor

Instagramem-me!

@joaninha_me