Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

21
Jul17

Ai, adolescência!

Joana

Conversa com um aluno de 13 anos que está a passar a fase crítica da adolescência, quando, numa atividade, ficámos a saber que os leões marinhos começam a caçar logo após completarem 1 ano de idade:

 

Eu (a provocar) - Vês, P.? Com um ano já são desenrascados e têm de lutar pela vida.

P. - Han...han...

Eu - E caçam peixe!

P. - Han... han...

Eu - Sozinhos!

P. - Han... han...

Eu - Com UM ano!

 

(Pausa)

 

P. - Ó professora, eu também caço... raparigas! Não é peixe, mas dá para alimentar.

 

 

Silêncio.

Deixo-vos a refletir sobre estas sábias palavras de um rapazinho simpático, mas com demasiadas hormonas aos saltos.

 

 

(E caramba, isto no meu tempo não era assim.

Ou era?!...).

 

22
Fev17

No meu tempo não era assim que funcionava, caramba!

Joana

Conta-me hoje uma colega de profissão que uma aluna - de 10º ano, atenção! - desmarcou uma aula que, normalmente, decorreria às quartas feiras de manhã, tendo (sem que alguém lhe tenha pedido) justificado que tal se devia ao facto de nesse dia, 1 de março, ser o aniversário do Justin Bieber. Sim, leram bem. A aluna de secundário cancelou uma aula por ser o dia de aniversário do Justin Bieber.

 

Ele vem ao aniversário? Não.

Ele vem dar um espetáculo em Portugal no dia do seu aniversário? Não.

Ele sabe da existência destas raparigas? Não.

Ele vai-se lembrar do seu aniversário, tal é a quantidade de substâncias tóxicas que lhe circulam nas veias? Provavelmente não.

 

Se são pessoas racionais e razoáveis como eu penso que sou, aposto que vos estarão a circular pela cabeça dezenas de perguntas que, de tão ridículas, nem conseguem ser pronunciadas. Isso eventualmente associado a vários esbugalhares de olhos e torceres de testas é o que - imagino - estarão a fazer neste preciso momento, face à incredulidade desta justificação. Não se sintam mal, eu não fiz diferente.

 

À parte de tudo o que nem consigo dizer sobre isto, dei por mim a pensar que nunca, nem em criança, adolescente ou adulta falhei (ou fui autorizada a falhar) compromissos de estudo e trabalho por motivações tão vazias de conteúdo. No entanto, há que reconhecer que esta miudagem tem imaginação e que esta é uma justificação a ponderar daqui a uns 10 anitos, quando esta geração estiver a trabalhar (se estiver). No fundo, eles terão vivido o mesmo, certo? E o pior é que vão achar que isto faz todo os sentido. Vai ser uma alegria.

 

 Ahn, ahn... right.

 

 

[Ao menos isto serve-me para perceber que a minha juventude afinal - e ao contrário do que eu tantas vezes considerei - foi mesmo de categoria. Não queria ser jovem nos dias de hoje nem que me pagassem, essa é que é essa.]

21
Fev17

Acabo de saber.

Joana

O puto da Maia que andava desaparecido foi encontrado morto esta manhã, no rio Douro. Fiquei chocada. Não acreditava neste desfecho. Achava que era mais uma fuga de adolescente, num qualquer laivo de rebeldia. Mas não, os piores receios confirmaram-se.

Este é um entre muitos, bem sei, mas toca mais porque é pessoa conhecida dos meus alunos e de colegas professores. Porque é daqui e mora a centenas de metros de onde estou. Porque conseguiu mover toda a cidade na sua busca. Porque era acarinhado. Porque era um puto com problemas, mas sempre de sorriso aberto para toda a gente. E porque era um miúdo cheio de negras na alma e que arcava com o mundo às costas e ninguém deu conta disso.

 

Soube há minutos. Estou gelada com o choque.

Eu.

foto do autor

Instagramem-me!

@joaninha_me