Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

13 de Fevereiro, 2012

Filme do fim de semana.

Joana
Este:

 

Que filmalhaço! Gostei muito. Pelas breves apresentações e críticas que tinha visto e lido, já há muito tinha curiosidade em conhecer a história, mas depois dos óscares e das opiniões mais próximas, ainda mais se aguçou a curiosidade. Neste sábado, a RTP2 foi amiguinha e deu-nos a oportunidade de bandeja de ver um filme de luxo, sem intervalos e a horas decentes. 
É um filme forte, verdadeiro e muito intenso, com um argumento inteligente, histórias muito bem desenhadas e um elenco que não distingue uma estrela principal, mas antes vive de todas por igual. O que é triste perceber que o que ali se mostra é uma realidade tão presente ainda hoje. E que nem tudo é tão perfeito como parece. Choca e entristece, mas também nos acorda e nos faz sorrir. E sobretudo é daqueles filmes que, passadas algumas horas, ainda nos faz pensar nele. Está no meu top, definitivamente.

13 de Fevereiro, 2012

Filme do fim de semana.

Joana
Este:

 

Que filmalhaço! Gostei muito. Pelas breves apresentações e críticas que tinha visto e lido, já há muito tinha curiosidade em conhecer a história, mas depois dos óscares e das opiniões mais próximas, ainda mais se aguçou a curiosidade. Neste sábado, a RTP2 foi amiguinha e deu-nos a oportunidade de bandeja de ver um filme de luxo, sem intervalos e a horas decentes. 
É um filme forte, verdadeiro e muito intenso, com um argumento inteligente, histórias muito bem desenhadas e um elenco que não distingue uma estrela principal, mas antes vive de todas por igual. O que é triste perceber que o que ali se mostra é uma realidade tão presente ainda hoje. E que nem tudo é tão perfeito como parece. Choca e entristece, mas também nos acorda e nos faz sorrir. E sobretudo é daqueles filmes que, passadas algumas horas, ainda nos faz pensar nele. Está no meu top, definitivamente.

09 de Fevereiro, 2012

Eu não sou a Super Mulher.

Joana
Eu não consigo lidar com tudo. Não consigo viver os meus e os problemas dos outros, resolvê-los, ajudá-los inteiramente. Mas tento. Tento todos os dias minimizar a dor que pode morar naqueles de quem mais gosto e acho que algumas vezes consigo cumprir o meu papel. Mas as minhas dores, essas, tenho mais dificuldade em curar. Faço o que posso para aguentar as coisas, para não me deixar ir ao fundo, para me manter mais ou menos sã. Mesmo sem que as coisas corram sempre bem, mesmo quando as despesas são (bem) mais do que os ganhos, mesmo quando a força psicológica começa a não ser tão grande como aparenta, mesmo quando tudo parece desajudar, eu faço um esforço para me aguentar. Vou-me algumas vezes abaixo, mas vivo isso para mim apenas. Não sou a Super Mulher, mas tento vencer as minhas batalhas e ajudar as dos outros que, inconscientemente, acabam também por ser minhas. Não sou a Super Mulher, mas tento ser uma vencedora todos os dias. Mesmo que não consiga, tento.

09 de Fevereiro, 2012

Eu não sou a Super Mulher.

Joana
Eu não consigo lidar com tudo. Não consigo viver os meus e os problemas dos outros, resolvê-los, ajudá-los inteiramente. Mas tento. Tento todos os dias minimizar a dor que pode morar naqueles de quem mais gosto e acho que algumas vezes consigo cumprir o meu papel. Mas as minhas dores, essas, tenho mais dificuldade em curar. Faço o que posso para aguentar as coisas, para não me deixar ir ao fundo, para me manter mais ou menos sã. Mesmo sem que as coisas corram sempre bem, mesmo quando as despesas são (bem) mais do que os ganhos, mesmo quando a força psicológica começa a não ser tão grande como aparenta, mesmo quando tudo parece desajudar, eu faço um esforço para me aguentar. Vou-me algumas vezes abaixo, mas vivo isso para mim apenas. Não sou a Super Mulher, mas tento vencer as minhas batalhas e ajudar as dos outros que, inconscientemente, acabam também por ser minhas. Não sou a Super Mulher, mas tento ser uma vencedora todos os dias. Mesmo que não consiga, tento.

07 de Fevereiro, 2012

Das fotografias.

Joana
Se há coisa que adoro são fotografias. Adoro mesmo! Mas as minhas, aquelas que eu ou quem estava comigo tirei/tirou. No fundo, aquelas que fazem parte da história da minha vida e que fixaram momentos únicos e felizes. Sinto-me sempre uma menininha curiosa, que se perde a ver todos os pormenores, a reviver todos os momentos que estão ali registados e que não consegue deixar de sorrir em cada fotografia nova. Não há prazer que se assemelhe a este. Parece que, a cada imagem que passa, me sinto de novo ali, no lugar e no momento do click e essa sensação tão boa (tratando-se de fotografias que registem momentos bons, bem visto) é realmente difícil de igualar. É por isso que sou incapaz de apreciar fotografias em modo de filme (numa sequência que ocorre a um ritmo que um qualquer software determinou) e dificilmente conseguiria viver sem estas memórias mais ou menos digitais. É preciso tempo. E dedicação.

Acho que cada vez mais vivemos para o momento imediato, e muitos dirão que é o melhor. Mas recordar também é um grande prazer desta vida, admitamos. E este é um de que eu decididamente não abdico.




07 de Fevereiro, 2012

Das fotografias.

Joana
Se há coisa que adoro são fotografias. Adoro mesmo! Mas as minhas, aquelas que eu ou quem estava comigo tirei/tirou. No fundo, aquelas que fazem parte da história da minha vida e que fixaram momentos únicos e felizes. Sinto-me sempre uma menininha curiosa, que se perde a ver todos os pormenores, a reviver todos os momentos que estão ali registados e que não consegue deixar de sorrir em cada fotografia nova. Não há prazer que se assemelhe a este. Parece que, a cada imagem que passa, me sinto de novo ali, no lugar e no momento do click e essa sensação tão boa (tratando-se de fotografias que registem momentos bons, bem visto) é realmente difícil de igualar. É por isso que sou incapaz de apreciar fotografias em modo de filme (numa sequência que ocorre a um ritmo que um qualquer software determinou) e dificilmente conseguiria viver sem estas memórias mais ou menos digitais. É preciso tempo. E dedicação.

Acho que cada vez mais vivemos para o momento imediato, e muitos dirão que é o melhor. Mas recordar também é um grande prazer desta vida, admitamos. E este é um de que eu decididamente não abdico.




03 de Fevereiro, 2012

Fevereiro.

Joana
Este é o pior mês de contas para mim. TUDO calha neste mês - inspeção automóvel, mudanças de óleo e mais umas quantas tretas necessárias, imposto de circulação, IVA, Segurança Social, prendas e jantares/festas de aniversário, e sei lá mais o quê. Acrescente-se as habituais despesas mensais e aí temos o pior mês do ano para mim. Bem pior que Dezembro, acreditem.

(Que esforço redobrado para não me ir abaixo...)
a
03 de Fevereiro, 2012

Fevereiro.

Joana
Este é o pior mês de contas para mim. TUDO calha neste mês - inspeção automóvel, mudanças de óleo e mais umas quantas tretas necessárias, imposto de circulação, IVA, Segurança Social, prendas e jantares/festas de aniversário, e sei lá mais o quê. Acrescente-se as habituais despesas mensais e aí temos o pior mês do ano para mim. Bem pior que Dezembro, acreditem.

(Que esforço redobrado para não me ir abaixo...)
a