Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

02 de Outubro, 2018

Mais uma "wake up call" em forma de filme.

Joana

Dedicamo-nos ontem à tarde a este filme, que tínhamos começado a ver, sem querer, no início da tarde de sábado, quando nos preparávamos para sair. Fiquei com aquela vontade de o ver de início, porque algo me dizia que iríamos gostar. E assim foi.

 

 

O filme é de 2014, chama-se "You're not you" e a tradução para Portugal ficou-se num simples "Ponto de Viragem". De facto, o título na nossa língua é redutor, face ao original, e fica um pouco aquém da grandeza do filme e da história. Digo-vos que a história é forte e, sendo baseada em algo real e sem solução à vista, ainda se sente mais o "murro no estômago". Fala de uma das doeças do século - a Esclerose Lateral Amiotrófica - e da forma como ela, de mansinho, pode chegar e transformar completamente a nossa vida. E fala de amor, de dedicação e do valor das pequenas grandes coisas da vida.

 

Talvez pelo meu estado hormonal desenfreado, neste momento, chorei com este filme, embora, apesar de tudo, me tenha aguentado até a um ponto bastante avançado da história. Em nossa casa, o silêncio que o filme provocou foi mesmo impressionante. O J. fez um esforço para se conter, mas ainda ficou uns minutos sem conseguir falar, depois de terminada a história. Eu, idem. A história é muito forte e está bem contada, sem aspetos desnecessários ou elementos forçados - só lá está o essencial, que é muito. A interpretação da Hillary Swank é fenomenal, mas a Emily Rossum - de que não era grande fã - não lhe fica atrás. Sem querer - e, por vezes, mesmo contra a nossa vontade -,  a história leva-nos com ela e parece que estamos lá, a viver as coisas de perto. Gostámos muito deste filme e achamos que vale muito a pena.

 

Se puderem, deem um bom uso às vossas boxes graváveis e procurem por este filme, que passou na SIC, no passado sábado, dia 29 de setembro. Acho que não se irão arrepender e que verão reforçada a ideia de que na vida há coisas que não importam mesmo nada, quando nos parecem essenciais, e há outras que valem tanto, sem que nos apercebamos delas ou lhes demos qualquer valor. Continuemos, pois, a aprender.