Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

28 de Fevereiro, 2019

A data aproxima-se. E as ansiedades também.

Joana

Sou uma pessoa calma e, por si só, muito animada. Gosto de viver as coisas a seu tempo, um dia de cada vez e acredito sempre que tudo vai correr bem.

 

Em relação à gravidez, sempre a levei com a maior das calmas e naturalidades e passei estes nove meses bastante tranquila e feliz. A poucos dias da hora da verdade, as coisas começam a mudar um bocadinho, confesso. O facto de ter de estar mais por casa e em repouso mexe comigo, porque eu não sou muito de ficar parada e sozinha no mesmo sítio muito tempo. O mesmo acontece em relação ao trabalho: sentir que giro toda a dinâmica da empresa à distância (e, sobretudo, forçar-me a isso) é complicado para mim, que costumo sempre ser ativa e interventiva em tudo. Não que não confie em quem lá está ou que tudo vai correr bem; é apenas uma coisa muito minha, com a qual estou a tentar aprender a lidar.

 

A aproximação da data do parto está a começar a criar alguma ansiedade em mim, é verdade. Tenho sempre receio de que falte alguma coisa, de que me tenha escapado algo essencial e básico e, sobretudo, de que não seja capaz de ser tão prática e expedita como costumo ser. A isto junta-se uma nostalgia, que já me está a afetar, de não mais ir sentir o bebé dentro de mim, os seus movimentos, as reações à minha voz, às minhas (péssimas) cantorias e danças, à voz e brincadeiras do pai e às festinhas e mãos sempre quentinhas dos avós. Também não ajuda eu adorar estar grávida e com uma barriga digna de uma pequena baleia - passo montes de tempo a apreciá-la e a acarinhá-la e, por muitos registos fotográficos que haja, nenhum parece ser fiel à sua verdadeira dimensão. Toda a gente me diz para fotografar muito, registar tudo e aproveitar cada bocadinho, o que, sendo dito com a melhor das intenções, ainda agrava mais um bocadinho este sentimento de tudo estar prestes a acabar.

Também os constantes conselhos de "aproveita agora para dormir" e "façam tudo o que gostam e aproveitem cada momento, porque isso vai acabar em breve e durante bastante tempo" - mesmo se ditos com o objetivo de nos orientar - não ajudam particularmente.

 

Do parto propriamente não tenho grande receio. Estou mais ansiosa com o antes da coisa. O ter contrações ou o rebentamento da bolsa e ter de aguardar ou não para ir para o hospital. A confusão de me ir arranjar e sair com tudo às costas, não esquecendo de nada. O que nos passará pela cabeça no caminho de carro até ao hospital. Tenho, no fundo, medo de alguma desorientação inicial, que possa estragar, de algum modo, o entusiasmo pelo grande momento das nossas vidas. Sei e acredito que tudo vai correr bem e eu não costumo entrar em pânico em alturas críticas. Se tudo se mantiver como sempre foi, saberei lidar com alguma frieza no momento decisivo e depois toda a enxurrada de emoções me cairá em cima após essa hora. Não seria mau, se assim fosse. Vamos ver como nos saímos.

 

Neste momento, penso que o que me causa maior ansiedade é a dúvida constante sobre o "quando". Para além disso, sinto o meu raciocínio muito lento e, por vezes, o cansaço físico e mental apoderam-se de mim de repente, do nada, o que também me frustra ligeiramente. Voltei a ter sono a meio do dia. Já estou farta de comer as mesmas coisas e não dever comer outras, por ideias fixas minhas, sobretudo. Não tenho grande paciência para coisas minhas, menos ainda para as dos outros (não é por mal, claro) e estou muitas vezes em modo "só estou bem onde não estou". Acho que tudo faz parte, segundo dizem, e quero encarar isto com a mior naturalidade possível, mas às vezes nem minha grande amiga sou. O que vale é o carinho das minhas pessoas, que não se cansam de mim e me apoiam sempre, mesmo quando estou rezingona e sem pachorra. E, claro, o nosso bebé, que parece adivinhar quando estou mais em baixo e reage sempre que me sente assim, como que a dar alento à mãe e à sua missão. Somos uma boa equipa, no fundo. E tudo há de correr bem.

 

Barriga Nós 2 PB.png

(Sim, somos nós os três.)

 

 

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.