Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

21 de Fevereiro, 2019

A minha necessidade de organização real, mental e virtual.

Joana

A chegada do bebé implicou um ajuste brutal na nossa capacidade de organização. Já tivemos vários percalços pelo caminho - desde janelas a infiltrações de que já vos fui falando várias vezes neste blogue e que já contam com anos e algumas lutas (e vitórias) pessoais -, o que ainda reforçou mais a necessidade de reagirmos, de nos mexermos, de relativizarmos e de nos organizarmos - sobretudo em termos de gestão de tempo. Não é fácil pensar em ideias que partem do zero - em termos de realidade física e de ânimo. Começar a olhar para um quarto que sempre foi assumido como quase inexistente para a vida da casa e que, por todos os problemas que teve, esteve mais vezes fechado do que aberto, e ver nele potencial para avançar não foi fácil. Mas valeu a pena. O facto de haver um entusiasmo natural pela chegada do novo ser humano às nossas vidas deu-nos forças para arregaçar mangas, aprender a lidar com tudo e começar a pensar e a fazer, mesmo que mais tarde fosse necessário pensar e fazer de novo, de um quase zero.

 

Esta gestão não foi fácil. O tempo é sempre escasso, a disponibilidade mental idem aspas e a força para andar sempre de um lado para o outro a tentar soluções, rejeitar algumas e reformular outras também é, por vezes, muito pouca. Todo o processo foi e é esgotante. Mas foi a capacidade de organização mental e real que nos permitiu conseguir algo de que muito nos orgulhamos hoje. Apesar de acharmos sempre que falta alguma coisa ou que algo poderia ter sido feito de outra forma, a coisa deu-se (com algum esforço, é certo), mas vemos que valeu a pena.

 

No trabalho, a coisa foi e está a ser mais complicada. Por muito organizada que eu seja e mais queira ser, é difícil manter à distância a gestão de uma empresa e de todos os envolvidos, sobretudo quando parte deles conta comigo e com a minha presença física lá, para eles. No entanto, e por muito que me custe, impus-me parar no último mês da gravidez, ciente, porém, de que isso significará perdas relevantes para a saúde financeira da empresa. Apesar disso, estabeleci como prioridade a minha saúde e descanso e a verdade é que esta, tendo sido a primeira semana da minha ausência, já serviu para começar a testar a realidade que se aproxima. Não é fácil para mim e acredito que também o não seja para os meus alunos. Mas com disciplina e organização, vou conseguindo. Mesmo à distância, vou estando sempre atenta à empresa, às alterações, aos ajustes e às necessidades de clientes e colaboradores e acho que não me tenho saído mal.

 

Em termos de vida de casa, a organização tem-nos permitido relativizar o que não pode ter tanta importância de ora em diante e a colocar o descanso e a calma em primeiro lugar. Para mim é mais fácil do que para o J., até porque ele não tem um alarme interno que apita ao mínimo esforço para lá do desejável. Para além de não ter quilos extra de carne e líquido amniótico acumulados na região abdominal, que o fazem andar tipo pinguim. [Parecendo que não, isto ajuda.]

 

Finalmente, resta-me a organização...virtual! Sim, aquela que perdi há meses e que penso que demorarei anos a recuperar. Tenho tanta, mas tanta coisa a organizar de material de trabalho e de estudo, que só de pensar nisso já fico cansada. Mas quero mesmo aproveitar estas últimas semanas para me sentar em frente ao computador e preparar centenas de páginas de material de trabalho e para me reorganizar, atualizar e renovar conhecimentos e repensar investimentos que pretendo fazer. Será que vou ter força mental para isto? Não vai ser fácil, bem sei, até porque uma das coisas menos boas que esta fase da gravidez me está a trazer é a impaciência para detalhes - algo em que sempre fui uma picuinhas do pior.

 

Dito isto, e porque a parte da organização física já estará, à partida, toda tratada, resta-me apurar o sentido de organização mental para dar resposta à organização de que o meu computador, ficheiros, emails e afins me pedem. Vamos ver como me porto.

 

 

E vocês, são organizados q.b., hiper organizados ou não estão nem para aí virados?

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.