Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

19 de Setembro, 2015

A perfeição de se ser imperfeito.

Joana

Vamos ver se entendemos uma coisa: não há histórias perfeitas. Não há vidas perfeitas, não há dias perfeitos, não há amores perfeitos (ok, excluamos as flores), nem relações perfeitas. E quando digo isto, refiro-me a uma noção de perfeição que se criou e que vejo cada vez mais instituída pelas pessoas à minha volta que se traduz em mostrar que, com elas, tudo corre sobre rodas, que a vida é sempre sorrisos e borboletas na barriga, que não há falhas nem lombas a ultrapassar e que tudo é natural e obviamente fácil. Pois, mas a vida não é mesmo assim. Confesso que a minha paciência para conseguir aguentar esta insistência na perfeição é muito limitada. Não suporto que alguém me diga que a sua vida é perfeita. Como pode ser? Detesto mesmo que as pessoas queiram fazer transparecer uma coisa que não são e/ou não têm, seja por palavras, por comportamentos, por fotografias ou o que mais haja por aí. Detesto. Não há perfeição. Todos temos dias maus, todos temos falhas, todos erramos. Ao insistirem em passar essa imagem de perfeição, só denotam o quão imperfeitos são. Quanto mais não seja, por terem inventado uma vida falsa e pretensiosa sobre uma vida real, imperfeita e, por isso, muito, mas muito mais interessante.