Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

12 de Agosto, 2016

Adenda ao post "Estou de volta."

Joana

Esqueci-me de mencionar uma coisa importantíssima, que me aconteceu neste período e que prova que há algo lá cima, nos céus, contra mim, de vez em quando. No preciso dia em que fomos de carro para o aeroporto - sendo eu a condutora (ponto importante para a história) - para a tal viagem há muito esperada, entrou uma vespa pelo colarinho da minha blusa, andou a "passear" nas minhas costas durante uns minutos e, achando eu que era uma ervita qualquer que tivesse entrado, tentei sacudi-la e, quando a deixei de sentir, encostei-me ao banco do carro com todo o descanso. De repente, uma dor lancinante e uma tontura que me obrigou a parar o carro no meio da rua e quase a não conseguir ter qualquer reação. Sim, fui picada pela vespa em três (TRÊS!) sítios. [Nem sabia que a vepa conseguia picar três vezes seguidas]. O J. a tentar sacudir a vespa das minhas costas, mas em pânico. Eu, a tentar estar quieta e a suar de nervos. O meu pai, atrás, sem saber como ajudar. Umas sacudidelas e a vespa lá foi, combalida, à sua vida. Eu fiquei com um inchaço de tal ordem, que nem me conseguia encostar ao que fosse. Nas costas, três papos enormes e uma picada com um diâmetro tal, que até sangrou e deixou crosta. Tudo isto era mau, mas pior foi que a primeira coisa que fiz ao chegar ao aeroporto foi ir à farmácia para tomar um medicamento que me impedisse reações complicadas à picada. O belo do medicamento cumpriu a sua função, sim senhor, mas deixou-me completamente drogada passadas umas horas, de tal forma que nem eu, nem o J. me reconhecia. Parecia mesmo estar alucinada. E, para completar a história, imaginem este cenário e ter feito uma viagem de avião de mais de 2h, com dores e tonturas, e sem me conseguir encostar às costas da cadeira.

Digam lá se têm histórias deste calibre... Só a mim, mesmo.

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post