Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

27 de Janeiro, 2016

As palavras numa relação.

Joana

Entendo que a cumplicidade de um casal seja muito diferente da de outro. Entre os dois elementos gera-se, com o tempo e a partilha, uma forma natural e única de trato, que acaba por ser a marca dessa relação. No entanto, tal como para tudo o resto, também aqui tem de haver limites quanto às linguagens e às formas de lidar com as questões mais ou menos sensíveis. Talvez por uma questão de idade, me esteja a tornar mais crítica. Ou não, porque, no fundo, há coisas de que nunca gostei e de que continuo a não gostar. Hoje tomo por exemplo as palavras. Há coisas que, entendo, nunca se devem dizer ou chamar a quem se ama, por mais que tenhamos confiança com essa pessoa. Ouço muitas vezes, a palavra "estúpido/a" dita em tom de brincadeira entre um casal e detesto. Talvez haja quem goste, mas não é, certamente, o meu caso. Outras que me ofendem particularmente são "parvo/a" e a palavra "cala-te". Exemplos simples de algo que sempre fui habituada a nunca dirigir a quem amo e que, por isso, me magoariam sempre muito, mesmo se ditas em tom de brincadeira.

 

Talvez me achem muito sensível ou esquisita (acertaram na primeira), mas é assim que sinto as coisas, que fazer?

 

E vocês, têm alguma palavra que não tolerem nas vossas relações?

 

 

 

 

8 comentários

Comentar post