Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

07 de Setembro, 2021

Cultivar as amizades.

Joana

Uma das coisas de que o J. mais se queixa atualmente, e que muito piorou, a seu ver, durante a pandemia, o confinamento e o necessário isolamento e distância social a que estes dois últimos anos nos obrigaram, foi as suas amizades.

Se falar com ele sobre este tema, a pergunta que lhe sai no imediato e sem qualquer filtro é: "Quais amigos?". Tento fazer-lhe ver que, de facto, os verdadeiros amigos se mantêm, apesar de tudo, mas ele tende a focar-se nas ligações que se perderam e que ele sente - pelo que as pessoas têm vindo a revelar ser - que não deva ser ele a tentar restabelecer. Em parte, concordo, mas, por outro, nunca fui muito adepta do "olho por olho, dente por dente". Se gostarmos de uma pessoa e sentirmos que a queremos na nossa vida, não é porque a outra parte não cuida nem revela grande lembrança de nós, que deveremos fazer o mesmo. Talvez por isso eu não sinta que perdi amizades com a pandemia. Sei que fui e fomos muito criticados por nos forçarmos a estar mais isolados, mas também não me importo com isso, porque realmente sei o que faz sentido para nós e para que nos sintamos seguros e bem. E quem é, de facto, amigo, até pode questionar e discordar, mas respeita e não se afasta por isso.

A verdade é que as amizades têm de ser "regadas" e cuidadas, como se de uma relação de amor se tratasse. Não é preciso estar sempre em contacto, mas é necessário estar atento, valorizar, parabenizar, querer saber do outro e mostrar que os dois lados importam - o de cá e o de lá. Se a pandemia quebrou algumas relações de amizade, talvez fosse porque não eram reais, mas "maquilhadas" e apenas disponíveis para os bons momentos. E que falta fazem estas ligações na nossa vida? Na minha, nenhuma, na verdade. 

A pandemia serviu, em termos de amizades, para distinguir o trigo do joio. E digo-vos: muitos poderão ter-se sentido defraudados e até traídos, mas eu não fiquei nada surpreendida com o resultado deste grande teste às nossas vidas. Os verdadeiros amigos, que quero levar comigo para sempre, nunca saíram e até ganharam mais raízes no meu coração. E isso é que importa.

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.