Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

17
Out18

E é por isto que eu acredito num mundo bom.

Joana

Na segunda feira à noite, quando ia a pagar por uma refeição, dei conta de que não tinha o meu cartão Multibanco. Não dei muita importância na altura (até porque agora, à noite, eu estou de rastos a partir das 20h e o meu raciocínio começa a bloquear a partir daí) e supus que o pudesse ter deixado em casa, numa arrumação mais apressada desde a última vez. A verdade é que passei todo o dia de ontem a procurar o cartão e a questionar-me onde raio o teria deixado, porque nem nos sítios prováveis, nem nos (muito) improváveis ele estava. Revi vezes sem conta o percurso que fiz desde a última vez que o tinha utilizado: numa ida ao talho, no sábado, quase perto das 19h. Fui, inclusivamente, ao próprio talho perguntar se não o teria lá deixado, mas nada. A verdade é que desde sábado até à manhã de terça - altura em que o comecei a procurar - muita coisa poderia ter acontecido. Comecei a desesperar e já estava quase a dar o caso como perdido.

 

Estranhamente - não sei explicar como, nem porquê - sentia-me ligeiramente descansada, pois estava convencida de que não o teria perdido numa loja ou na rua, mas que o deveria ter posto no sítio mais estapafúrdio da nossa casa, em concordância com o pregnant brain de que, efetivamente, padeço. A verdade é que o bicho não aparecia e eu já tinha consultado o nosso homebanking para ver se se mantinha intacto e já me tinha informado sobre contactos para tratar do cancelamento do dito cujo.

 

Tive, no entanto, uma ligeira epifania quando, esta última noite, num dos longos períodos durante a madrugada em que o feijão decidiu que a mãe não tinha de dormir, dei por mim a pensar que poderia alguém, no alto do seu bom senso e boa formação cívica, ter entregado o cartão na farmácia, que fica no caminho de saída do talho. Como já tinha ido às compras perto da hora de fecho e as farmácias habitualmente têm horários muito alargados, alguém o poderia ter encontrado e pensado em entregar lá. Hum... I gave it a shot.

 

E não é que sim - que estava mesmo lá? Já totalmente desacreditada, mas ainda assim motivada o suficiente para ir à farmácia perguntar, numa última tentativa, recebi a melhor notícia daquelas últimas 30 horas: o bichinho eletrónico estava lá. Alguém efetivamente tinha pensado e agido da forma mais correta possível.

 

E lá voltei eu a ter mais uma prova no lado bom da Humanidade. Não me venham com tretas de que ser otimista cria falsas expectativas e mostra pouca sensatez. Há muita gente boa por aí. O mundo tem muitos corações de ouro e se calhar deveríamos todos fazer um esforço para nos centrarmos nessas, e não nas que tanto estragam a perceção do lado bom da vida.

 

A quem me ajudou e teve este pequeno grande gesto, o meu mais sincero OBRIGADA! You made my day!

 

11 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Instagramem-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Bloglovem'me