Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

16 de Abril, 2021

E quando a educadora do nosso filho se acha melhor educadora do que nós?

Joana

O nosso filho frequenta, desde os primeiros meses de vida, uma creche. Começámos a busca, tinha o J. ainda três meses na barrriga. Fomos muito criteriosos - mas, ainda assim, simples nos requisitos que sempre considerámos obrigatórios - na seleção do local onde o queríamos inscrever, pensando sempre que, uma vez iniciado o processo, seria para ser levado até ao nivel da pré-escola, sem alterações no "percurso".

O primeiro dia foi muito difícil, claro, mas rapidamente a coisa melhorou. Estávamos muito cientes de que aquele era o passo certo a tomar e sentimo-nos sempre muito apoiados, acompanhados e esclarecidos em todas as dúvidas, receios e inseguranças que tínhamos, como pais de primeira viagem.

O primeiro ano (ou melhor, meio ano, à conta da pandemia) correu muito bem. A sala tinha uma educadora e duas auxiliares. Posso dizer que tivemos a melhor sorte do mundo com uma das auxiliares, que tem, ainda hoje, um amor (mesmo amor!) imenso pelo nosso filho e pela qual eu particularmente nutro um carinho tão, mas tão grande, que a considero minha familiar. A outra educadora não era a pessoa mais querida do mundo, mas era prática, despachada e o nosso filho gostava muito dela, o que facilitou muito o nosso processo de adaptação e aceitação. Já a educadora da sala nunca me "disse" grande coisa, raramente a via ou falava com ela e nem sequer percebia o impacto que ela tinha nos bebés que frequentavam a sala do berçário. Vim a saber mais tarde que ela praticamente não aparecia lá, deixando a gestão de toda a sala a cargo das auxiliares.

Estamos agora no segundo ano e o nosso filho transitou de sala. Com ele passou também a auxiliar que menos nos dizia, entrou uma nova auxiliar que desconhecíamos e manteve-se, infelizmente, a educadora. Se o ano passado sentíamos que ela, na prática, não fazia parte do mundo do nosso filho, neste, embora a sintamos muito mais presente, temos - tenho! - muita mais dificuldade em tolerar a sua forma de estar, o seu discurso quase autoritarista e a sua convicção de ser a dona de verdades inquestionáveis. Para mim, que sou tolerante em relação a ideias opostas às minhas, mas pouco tolerante a uma postura "é assim, porque eu digo que é assim", posso dizer que esta fase está a ser, em termos emocionais, extremamente desafiante para mim. Tenho "engolido" bastantes "sapos", pensando sempre no bem supremo do nosso filho e, por isso, tenho adotado uma posição de "Ok, vou ouvir, assentir e seguir caminho, sem contestar". Para dar uma noção mais real da coisa, posso-vos dizer que a educadora tem uma visão completamente distorcida do que é o nosso filho, atribui-lhe características que ele, claramente, não tem, diz ser uma criança "fraca emocionalmente" (acreditem, é o oposto mesmo!) e, perante a nossa indignação, ainda nos diz "Eu passo mais tempo com ele durante o dia do que os senhores". Chega, inclusivamente, a insinuar que, pelo facto de as opiniões do pediatra sobre alguns assuntos em particular não serem concordantes com as suas, o médico está velho e ultrapassado nas suas ideias. Se são pais, penso que perceberão o quanto isto mexe connosco e nos revolta. Vale-me eu ter a capacidade de, depois de me enervar com as situações (mesmo se não as exteriorizando), conseguir transformá-las na minha cabeça em algo passível de ser gozado. E é isso que tem acontecido. Tento relativizar tudo o que esta educadora nos diz, todos os seus comentários menos corretos e todas as suas atitudes que mais nos incomodam. Mesmo o trato com os pais (penso que não será só connosco, mas ninguém se "queixa") é muito estranho, frio, lacónico e brusco. Pode até ser dotada das melhores competências, mas possivelmente só daquelas nos manuais e pouco das reais, no dia a dia, de âmbito social e emocional. 

O nosso filho ainda não tem a capacidade de se expressar de forma clara, pelo que temos de acreditar - e acreditamos, porque vemos quão bem anda, está, socializa e a alegria que tem quando vai para a creche - no que as auxiliares nos transmitem. Mas o essencial é o que nós vemos - um menino feliz, expansivo, brincalhão, curioso, inteligente, muito respeitador, saudável e carinhoso. E isto após um segundo período de confinamente extremamente complicado para nós, por questões pessoais e familiares que nos limitaram a um ponto difícil de imaginar.

 

Tem sido também uma dor de crescimento para nós, pais, aprender a aceitar esta situação. Mas é um processo que se consegue levar a cabo, se nos focarmos naquilo que é a nossa realidade, a nossa caminhada e o nosso dia a dia e não nos deixarmos levar por estas vozes que se acham superiores, mas estão, quanto muito, em paralelo connosco e nunca acima de nós. 

 

 

Perguntar-me-ão, então, por que motivo não mudamos o nosso filho de creche. Porque gosta de ir e estar lá, porque tem os primeiros amigos da sua vida lá, porque todos os dias vê, pela porta de vidro, a auxiliar que já se tornou família e lhe atira beijinhos, porque adora as auxiliares da sua sala e fala delas a toda a hora e lhes tem imenso respeito, porque está num ambiente onde se sente seguro e acolhido e porque é feliz lá! Para nós, como pais, a confiança de saber que o nosso filho está bem e que é feliz vale o sacrifício de aguentar com todos os comentários e posturas desadequadas da educadora que, na verdade, passa, no máximo, umas duas horas diárias com ele e com as restantes crianças, mas que se sente melhor "leitora" da sua personalidade do que os próprios pais e mais pediatra do que o nosso excelente pediatra.

Valha-me a satisfação de saber que só teremos de aguentar mais uns meses e logo virá uma nova educadora bem melhor do que a atual. Sobretudo, doce. Como ele. Como nós tentamos ser.

Portanto, foco na meta! Só assim vamos lá.

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.