Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

25 de Outubro, 2018

E quando o "bullying" entre as crianças começa nos pais?

Joana

Há muito a ideia de que, nos nossos dias, a violência entre crianças é muito maior do que há umas duas ou três décadas. Não concordo. As coisas continuam a acontecer com bastante intensidade, mas a forma de as fazer é que mudou. Ouvimos falar muito das redes sociais e da forma como elas podem mesmo servir de caminho privilegiado para ataques pela calada entre crianças e jovens. Tudo verdade. Mas e se esta violência psicológica que cresce nas redes começa nos pais?

 

Há muitos anos que trabalho em educação e ontem tomei conhecimento de uma história verídica, que superou tudo o que ouvi até hoje. Não queria acreditar no que estava a ouvir e presenciar e fiquei mesmo desiludida com o rumo que as coisas estão a tomar. Resumidamente, tenho uma aluna que é excelente em quase tudo - notas e personalidade. Por ser muito sorridente, simpática e sociável, tem quase toda a turma do seu lado, que a vê como uma líder nata. Apesar de nesse cenário haver duas alunas, não familiares entre si, que rivalizam com esta colega em termos de notas e protagonismo, ela não se deixa afetar e até as tenta integrar na turma e na convivência entre colegas. Mas a verdade é que as miúdas não querem essa aproximação e não aceitam ser superadas pela minha aluna, que nada se vangloria das suas capacidades e conquistas, mas que as tem, de facto. Isto seria normal, tendo em conta as idades das miúdas. Mas os contornos que a história ganhou entretanto ultrapassaram qualquer parvoeira adolescente. Aparentemente, as raparigas entraram num espírito de vitimização e foram falar com os seus pais, que assumiram de imediato a sua verdade como a única e que, através do perfil de Instagram das filhas, "bisbilhotaram" as publicações e Instastories da miúda que queriam derrubar, tiraram printscreens totalmente descontextualizados (do género, a minha aluna ter tirado uma fotografia com umas das miúdas e escrito - "Esta anã está quase a fazer anos! Yeeei! Parabéns!!!!" e os pais terem tirado o "Yeeei! Parabéns!!!", alegando que a rapariga estava a gozar publicamente com as filhas) e tendo levado ao Diretor da Escola um conjunto de folhas imprimidas com fotografias que, a seu bel-prazer, criaram a ilusão de uma história de complô contra as miúdas. Em resultado disto - e acreditem que o que se segue conseguiu ser ainda mais estapafúrdio para mim - a Direção resolveu convocar uma reunião de emergência com os pais das três alunas envolvidas, tendo ficado claro que, para ela, a culpa era da minha aluna e que as duas outras raparigas - quais mártires - estavam cobertas de razão. Agora, aparentemente, a miúda apontada como a culpada vai ser sancionada e, como imaginam, está num pranto e desânimo tais, que a sua autoestima ficou de rastos e não quer voltar à Escola, quando está em plena fase de testes. Quanto aos pais da minha aluna, estão decididos a fazer uma queixa oficial a quem de direito e a tirar a filha daquela instituição de ensino o mais rapidamente possível, sob pena de destruir a tão boa personalidade e caráter da miúda e poder contribuir para criar um pequeno monstro de insegurança dentro dela, que nunca mais lhe permita ser o que era - em estudos e na vida.

 

Esta história é, para mim, das que mais me chocou desde sempre. Como é possível que haja pais que se dedicam à missão de cegamente destruir a vida de uma criança, apenas para dar espaço a caprichos de pirralhas adolescentes, que ainda para mais são suas filhas? O que lhes estão e ensinar? Que caráteres estão a formar? Que valores lhes estão a transmitir? E que caráter é o seu para serem exemplos?

 

E mais: como é possível que a Direção de uma Escola ouça apenas os pais e nem se tenha dedicado a ouvir os outros elementos da turma, que confirmariam o bom caráter da minha aluna, sempre apaziguadora e amiga de todos e, ao invés, apenas ouçam e deem um parecer positivo a uma insinuação grave, adulterada e infundada? Como é possível que nem sequer se detenham a perceber por que motivo toda a turma rejeita essas duas alunas, por serem experts em virar as histórias a seu favor? Como é possível tudo isto?

 

Confesso que hoje acordei "doente" com esta história. Só me apetece pegar na minha aluna e levá-la para um novo ambiente, onde se sinta de novo valorizada. Acredito que os pais devam estar a pensar fazer o mesmo. É certo que tudo isto são ensinamentos de vida e que é preciso "bater" com a cabeça para aprender, mas esta história é mesmo muito retorcida e deve ser denunciada. Mas sobretudo, é uma vergonha imensa haver pais assim, que nunca o deveriam ser e que são os piores exemplos possíveis para qualquer ser humano em formação. A minha repulsa é tanta, que nem tenho adjetivos para os descrever, acreditem. Mas a crítica estende-se - e muito! - à ridícula Direção desta Escola, aparentemente de âmbito católico, que envergonha um país.

 

É isto que temos, por cá. Depois admiram-se que eu não me reveja na minha classe profissional e que aponte demasiado o dedo a certos preceitos religiosos, mesmo sendo católica. Ou eu estou muito à frente, ou eles estão muito atrás. Alguma destas há de ser.

 

 

 

2 comentários

Comentar post