Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

04 de Outubro, 2018

Empregada de limpeza ou não?

Joana

Eu e o J. há muito que andamos nesta indecisão: recrutar alguma pessoa capaz de nos garantir a limpeza semanal da nossa casa ou não. A questão já dura há muito e, apesar de ambos nunca termos tido essa realidade na nossa vida e, portanto, de a ambos custar a "encaixar" a ideia de uma pessoa estranha ter a chave de nossa casa e ficar lá sozinha, durante umas horas, eu estou mais convencida a avançar com isto do que o J..

 

A verdade é que nos ("me", principalmente!) custa gastar um dia de descanso para nos dedicarmos a limpar a casa. O J. é um espetáculo neste ponto, porque limpa e é capaz de o fazer perfeitamente pelos dois, mas perder o nosso tempo valioso para a casa é, para mim, um desperdício; já ele, vê isto como necessário e, por isso, natural. Às vezes, a situação causa alguma tensão, confesso. Já de mim, sou pouco ligada ao lado material e não dou muita importância a que as coisas possam não estar impecáveis, se for em função de um tempo bem passado ou de algo que importe mesmo. O mesmo não se passa com o meu companheiro de equipa, para quem manter tudo limpo e com bom aspeto é importante. (Acho que as coisas mudarão "ligeiramente" nos próximos tempos, não, meu caro marido?) Com isto não quero dizer que não seja uma pessoa asseada ou não adore a limpeza - claro que sim, mas, como em tudo na vida, sem fundamentalismos. Limpo, sim; limpo e intocável como um museu, não.

 

Com a chegada do bebé, esta questão cada vez mais me incomoda. E, mesmo se sem grande entusiasmo do J., tenho andado em busca de uma solução. Já pedi referências a alguns amigos, mas nenhuma se pôde concretizar, por falta de disponibilidade das pessoas. Já fui, inclusivamente, a uma empresa, mas os valores pedidos (e as condições obrigatórias) são para lá de loucos. E estou, neste momento, como uma tola no meio da ponte, pois não sei para onde me virar. Conseguir alguém de confiança é um desafio enorme. Conseguir alguém de confiança e disponível outro tanto. Conseguir alguém de confiança, disponível e competente é quase impossível. Conseguir convencer o J. é o desafio adicional a juntar à lista.

 

Não sei o que fazer e se o devo fazer. Estarei a pensar mal ou bem? Como gerem vocês esta pate da vossa vida?

 

 

 

9 comentários

Comentar post