Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

06 de Janeiro, 2015

Entre os dois, venha o diabo e escolha.

Joana
2015 começou com grandes novidades em termos publicitários. Se, por um lado, terminaram os 37 anúncios diferentes-mas-quase-tudo-a-mesma-coisa-que-já-não-há-pachorra-nem-sei-como-lhes-pagam-milhares-para-fazer-isto da MEO e o anúncio da Vodafone, das miúdas gémeas a gritarem "PAAAAIIII!" de forma tal, que só me apetecia partir o monitor da televisão, por outro, 2015 arrancou com duas "bombas" publicitárias. E com "bombas" refiro-me não a algo extraordinário, mas algo prestes a rebentar com a nossa paciência, de tão mau que é. Refiro-me a isto e a isto.

O primeiro é mau em todos os sentidos. O Paulo Futre está a olhar para qualquer coisa que não é a tela onde está a ser projetado um jogo, as moças são de uma categoria suspeita, a rapariga loira tem o vestido preso quase nos mamilos (de tal forma que, da primeira vez que vi o anúncio e o J. me disse que havia uma loira no anúncio, eu só disse "Nem reparei no cabelo") e tudo parece que vai dar em filme porno até àquele corte de montagem (ai a língua portuguesa...) magistral, antes de começar a música fofinha de um estimulante sexual com o dobro da potência. Espetáculo. Tudo em mau. Palpito que também o resultado da toma dos comprimidinhos vá pelo mesmo caminho. (E o Paulo Futre deve estar mesmo em baixo, nem o Libidium Fast normal lhe chega...)

O segundo é a coisa mais parva dos últimos tempos. Ninguém está no Intermarché à minha espera ao início da noite (já fui verificar), nem eles têm um número de telefone disponível sequer para dar aos clientes. Depois, e não querendo ser bronca, a senhora tem maminhas, não tem? Porque não dar de mamar em vez de incomodar as pessoas na sua hora de descanso? A D. Alice podia estar a lavar a louça ou a preparar a mochila dos filhos para o dia seguinte. Ou até podia estar a fazer amor com o seu marido que passou todo o dia a dar "machadadas" na carne (língua portuguesa, again), por trabalhar na secção do talho. Não se faz, senhora que telefona à D. Alice só para não ficar com as maminhas descaídas. Não se faz.

Bem, vou indo então.

4 comentários

Comentar post