Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

19 de Outubro, 2011

Epá, deixem-se disso!

Joana
A sério? Ir para as ruas? Provocar distúrbios? Convocar greves? Parar o país? Para quê, minha gente, para quê?! Qual é o propósito? O que vão conseguir com isso? Esperam que alguém volte atrás nas decisões que nos são impostas de fora, que alguém vos vá acalmar e vos diga "Pronto, então já não vamos cortar nos subsídios", que alguém vos ligue sequer? Não sejamos inocentes, que a idade para isso já lá vai. Ir para a rua agora é piorar tudo. E todos sabemos o que são as manifestações e as greves em Portugal - simples pretextos para descansar ou para descarregar fúrias escondidas que muitas vezes em nada têm a ver com o propósito da paragem. Não me parece que seja altura para isto, não podemos brincar. Temos de dar o litro, cada um de nós, e aceitar que se não for assim, nada mais fará travar a queda livre em que Portugal se arrisca a entrar. 
Eu sei que vivemos numa angústia com o nosso futuro, com a sombra da chegada do novo ano, com a desigualdade na distribuição da riqueza e dos sacrifícios, com as injustiças sociais, com o desemprego, com tudo. Eu sou vítima desta realidade, e como eu, muitos dos que me lêem o serão também, certamente. Mas não acho mesmo que seja altura para manifestações e revoltas populares. É, sim, altura de nos mexermos mais, revertermos tudo o que ainda podemos reverter, apostar em nós, no nosso trabalho, nos nossos produtos, na nossa mão-de-obra, em vez de continuarmos a ir a lojas de chineses ou a comprar fruta espanhola. Se todos pensássemos assim, então talvez não estivéssemos como estamos. Talvez seja essa a revolução de que precisamos. Uma que comece em nós e seja por nós.


2 comentários

Comentar post