Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

15
Mai18

Eu não gostei do Salvador com o Caetano. Deverei ser expulsa da blogosfera?

Joana

No passado sábado, como tão bem sabem, foi o dia da grande Final do Festival Eurovisão da Canção. E nesse grande espetáculo em tantos domínios, houve várias interpretações de artistas nacionais, que me encheram de orgulho [sobretudo, a minha tão cara Ana Moura, de quem tanto gosto]. No entanto, toda a blogosfera anda doida a fazer vénias à atuação do Salvador Sobral com o Caetano Veloso. Toda, à exceção deste canto aqui.

 

Eu gosto q.b. do Salvador Sobral e com tendência a piorar, apesar de lhe reconhecer uma voz muito bonita e uma presença marcante. No entanto, acho que a fama o fez entrar numa "bolha" que o leva a perder os filtros e a mostrar-se como um puto mimado, muitas vezes - coisinha para a qual tenho, cada vez, menos paciência. No entanto, na atuação no Festival, e tendo em conta toda a sua "akwardness", até se portou genericamente bem (à exceção de se ter posto aos saltinhos, parecendo um coelho desvairado no meio de uma atuação que se queria mais tranquila). E eu gosto do Caetano Veloso. Bastante até. Mas de um Caetano na sua "praia", com o seu tom próprio e a cantar algo em que acredita e a dizê-lo de alma e coração.

No entanto, a junção do Salvador com o Caetano não resultou para mim e foi, inclusivamente, algo sofrível, a meu ver. O Caetano Veloso estava tão fora da sua zona de conforto, que até ultilizou a estratégia de pôr o público a cantar, para minimizar a incapacidade de aguentar as notas. O registo estava bastante acima do que é natural para ele e isso notou-se claramente. E, incrivelmente, o Salvador superou o Caetano. Para além disso, esta terá sido uma das poucas situações em que um texto soou pior com sotaque brasileiro, do que com sotaque português. Não gostei e preferi, inclusivamente, a atuação do Salvador acompanhado por Júlio Resende ao piano (à exceção de mais aquele momento tresloucado em que enfiou a cabeça dentro do piano), do que a com o nosso caro Caetano.

 

Tenho para mim que, a partir do momento em que, num dueto de qualquer artista com Caetano Veloso, prefiro o primeiro a este último, alguma coisa deve estar mal. Ou com eles ou comigo. Ainda assim, acho que não mereço ser explusa da blogosfera e das redes sociais em geral, por ser, aparentemente, o único ser à face da Terra - formigas incluídas - que não gostou desta atuação nem a achou, de modo algum, brilhante ou excecional.

 

 

[Entretanto, já fiz as pazes com o cantor brasileiro e já o recrutei para o leitor de CD do carro. Estamos em paz.]

 

 

 

 

3 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Bloglovem'me

Instagramem-me!

@joaninha_me