Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

27
Mai18

Fomos ao cinema. "Os Invisíveis" foi a escolha.

Joana

Ontem, sem grande plano, decidimos ir ao cinema. Como andamos totalmente alheados do que está no cinema e vale ou não a pena, confiámos em meia dúzia de sinopses que conseguimos ler no pouco tempo que tínhamos e avançamos para a escolha que, pelo teor da história, parecia ser do nosso agrado: "Os Invisíveis".

 

 

O filme retrata a vida de quatro judeus, desconhecidos entre si, que contam na 1ª pessoa a sua vida de fuga à perseguição cega do nacional socialismo alemão e de como sobreviveram em Berlim ao período do 3º Reich, imediatamente após a cidade ter sido declarada como "Livre de Judeus", sem efetivamente o estar. A história é poderosa e, sendo verdadeira e contada pelos próprios, tem um enorme impacto. A questão que, de início, nos deixou um pouco reticentes é este ser um filme em forma de documentário. Mas o que inicialmente nos pareceu desinteressante, depressa se revelou essencial para entrarmos na história e percebermos, pela cara, voz, gestos dos próprios que aquilo foi real - muito mais do que qualquer trilha de cinema pudesse tentar reproduzir. A verosimilhança que o discurso na 1ª pessoa dá torna este filme muito interessante e, embora longe da genialidade, impressiona e "mexe".

Quando o filme terminou, fiquei num misto de tristeza e alegria - entre a vergonha de pertencer a um mundo dito desenvolvido que agiu desta forma há cerca de 70 anos e a satisfação de perceber que a inteligência dos que eram constantemente perseguidos e julgados menos capazes se sobrepôs à dita inteligência das opressivas ditaduras do século XX.

Eis um filme que nos surpreende pelos dois lados: pela história e pela História.

Vale bem a pena. Se gostam do género, avancem, sem medos.