Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

28 de Agosto, 2014

Fomos ver o "Lucy".

Joana
Não, não é a Floribela, é um filme do Luc Besson, mesmo (realizador que fez grandes filmes, incluindo os meus queridos "Taken"). Refiro-me a este filme, para ser mais precisa:


E o que tenho a dizer deste filme?
Ora bem, eh... não sei dizer. Acho que gostei, apesar de ser um bocadinho a puxar ao "marado" e de ter alguma "fantochada" lá pelo meio. Basicamente, o texto do panfleto acima diz (quase) tudo. É um filme estranho, com algumas partes violentas, mas "mexe" connosco e põe-nos a sair do cinema a pensar nele e a querer falar sobre o cérebro, as suas capacidades, etc. - o que, para mim, é quase inevitavelmente sinal de um bom filme. A Scarlett está espetacular e faz um papelaço - e olhem que eu nem gosto muito dela. O Morgan Freeman está, como sempre, bem, no seu registo habitual e com uma capacidade impressionante de nos fazer (sor)rir com ele, sem nunca se afastar da sua "assinatura". O argumento é bom e o tema interessantíssimo (mas eu sou suspeita, porque ADORO tudo o que tenha a ver com o cérebro e o seu comportamento), razão principal, aliás, pelo qual fomos ver o filme. No final, ambos não conseguimos avaliar assim de forma clara a coisa. Gostámos; não foi espetacular, mas foi bastante bom, com algumas partes dispensáveis e outras que mereciam melhores pós-produção. Uma saladinha de fruta, portanto. Mas os pontos positivos, ainda assim, ultrapassam em muito os negativos, por isso acho que vale a pena.

[À saída, tivemos a impressão que muita gente não compreendeu o final e que um grupo de miúdos com menos de 15 anos deveria ir convencido de que ia ver a Luciana Abreu num qualquer filme privado. Enfim, demasiado sono e hormonas aos saltos. Compreensível]



Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.