Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

18 de Outubro, 2016

Não quero polémicas, que isto é um espaço de saudável tertúlia. De acordo?

Joana

Eu tenho muita dificuldade em acreditar em certas coisas que certos (não estou a generalizar, atenção!) psicólogos dizem. Regra geral, e talvez por ser muito objetiva, consigo analisar comportamentos dos meus alunos de forma clara e torço bastante o nariz a diagnósticos imediatos destes profissionais que - confesso - me custam, muitas vezes, a aceitar. Não porque não perceba do assunto (não sei se sim, ou se não, sou sincera...), mas porque francamente me parecem muito desfasados da realidade. Chego à conclusão que, muitas vezes, as cabeças de pais e alunos são levados a aceitar algumas verdades, sem que estes questionem o que lhes é dito. Por muito que haja bons psicólogos e profissionais com excelentes capacidades de análise, que fazem um uso extensivo dos instrumentos de que dispõem - e há-os de facto -, existe também, e mais do que nunca, um moda associada a esta profissão. Parece-me que, neste momento, as pessoas perderam o interesse e curiosidade em questionar o que lhes é dito e aceitam cegamente os diagnósticos que neste âmbito, como em qualquer outro, podem ser precipitados, errados e, sobretudo, sugestionados. Dito isto, e porque não posso partilhar uma experiência profissional que exemplificaria na perfeição esta minha tese, deixo apenas a minha impressão atual. Cada vez mais, sinto que o facto de antes não haver o que hoje há em termos de doenças diagnosticadas destes foros pouco tem a ver com o desconhecimento de então, mas mais com excesso de informação em que hoje se vive. E, como em tudo na vida, o que é demais é erro. Aqui não é exceção. Houvesse mais tempo, calma, disponibilidade, atenção e, sobretudo, sensatez, e tudo seria mais objetivo e fácil de gerir, tratar ou ajustar.

 

 

15 comentários

Comentar post