Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

06
Jan18

Ó Sra., tenha lá calma com isso!

Joana

Ontem, quando tive a brlhante ideia de ir abastecer o carro a uma bomba de gasolina às sete horas da noite, levei com uma enchente de carros entre a própria da bomba e a caserninha de pagamento. Ando bastante calma - talvez das festas, quem sabe - e levei tudo tranquilamente, sem exaltações. Dei prioridade de passagem a um carro que se estava a fazer de chico esperto na fila e a insistir naquela coisa de carregar no acelerador continuamente, do género "se eu pudesse, já tinha passado por cima destes carros todos e esmagava-os um a um". Como era de uma empresa de venda de salgadinhos e eu gosto bastante de rissóis, chamuças e croquetes (ou talvez porque não estivesse para me chatear), dei-lhe a prioridade que não tinha e até lhe sorri, no gesto de cedência de passagem. Estávamos todos parados, de motores ligados e a gastar os cêntimos que o desconto daquele dia nos tinha sido gentilmente oferecido, mas eu estava bem e calminha. Quando chega a minha vez de ser atendida, levo com isto:

 

Funcionária: A SENHORA DA PRÓXIMA VEZ NÃO DEIXE PASSAR OS CARROS À FRENTE! O CONDUTOR DO VEÍCULO ANTERIOR PASSOU TODO O TEMPO A QUEIXAR-SE E AINDA SE ACHOU CHEIO DE RAZÃO! NÃO PODE FAZER ISSO! (acrescentem ao perfil da senhora funcionária algumas marcas de personalidade, como olhos esbugalhados, voz num tom muito acima do desejável e com bastante irritação à mistura e cara vermelha como se tivesse levado um par de estalos a uma velocidade francamente considerável).

 

Eu: Não há problema nenhum. Não vale a pena chatearmo-nos. O senhor foi à vida dele e agora eu trato da minha. Não esperei assim tanto. Não se exalte.

 

Funcionária: POIS, MAS EU NÃO ESTOU A FALAR DE SI. AGORA VOU TER DE LEVAR COM AS QUEIXAS DE TODOS OS OUTROS CONDUTORES QUE FICARAM À ESPERA! NÃO PO-DE FA-ZER IS-SO!

 

De repente, enquanto ela lá fazia os pagamentos e deitava fumo pelas narinas (podia ser apenas do frio, não sei), deu-me para olhar para trás e reparar nos tais "outros condutores". Estavam todos a olhar para os telemóveis, calmos, nas suas vidas, provavelmente felizes pela chegada do fim de semana, e nenhum a pressionar. Depois olhei para o monitor da máquina registadora e vi que ainda era dia 5 de janeiro. Só me saiu isto:

 

Eu: E ainda só passaram cinco dias... Está difícil, isso.

 

 

 

Acho que nunca mais vou abastecer ali.

Assim como assim, gasto o que poupo. Em tudo, aparentemente.

 

 

 

 

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Instagramem-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Bloglovem'me