Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

09 de Janeiro, 2015

Pais e filhos - quem sai aos seus...

Joana
Tenho uma aluna confirmada para as 10h30. A mãe dela liga-me às 10h32 e diz-me que ela adormeceu. Portanto, à hora a que devia chegar é à hora que me avisa que a filha acordou. Pede-me desculpa? Não. Diz-me só para eu esperar, que ela - a filha - em 15 minutos deve chegar. Assume, portanto, que eu é que estou à mercê dos alunos e tenho mais é que esperar, porque eu é que ganho com isso. Errado. Perante a falta de educação e respeito, eu aviso que às 11h30 tenho mesmo de terminar porque tenho outra aula. Ela só diz "Tudo bem". A aluna chega, passados os tais 15 minutos. Entra "na maior", diz que adormeceu porque esteve a ver um filme até tarde e começa "Estão aqui os trabalhos que me pediu..."

O atraso até acabou por não ser muito, é verdade que não. Foram só 15 minutos e não alteraram muito os planos. Mas a forma como as pessoas assumem que os outros têm que os servir e dependem deles é das coisas que mais me incomoda. A falta de educação que lhe é inerente então é o pior. Detesto serventias e mordomias. Não suporto miúdos e adolescentos insurretos, mal educados e socialmente mal formados. E sobretudo desprezo esta displicência com que as pessoas  - sobretudo quando são educadoras - se habituaram a viver e a lidar com os outros. Pelos vistos, a coisa está a ser devidamente transmitida aos mais novos, o que me leva a recear realmente a sociedade que estaremos a formar e que será aquela que, em teoria, terá de servir os nossos filhos. Um pouco assustador tudo isto, na verdade, não concordam?