Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

04 de Dezembro, 2018

Portugal ser considerado o melhor destino turístico do mundo é mesmo uma coisa boa?

Joana

 

No passado dia 1 de dezembro, Portugal foi eleito, pelo segundo ano consecutivo, o melhor destino do mundo, no âmbito do turismo, pelos World Travel Awards - basicamente, os óscares do turismo mundial. Lisboa foi ainda considerado o melhor destino do mundo para um City Break e a Madeira como melhor destino do mundo insular. No próprio dia, percebi que nas redes a notícia foi amplamente divulgada e partilhada como um enorme motivo de orgulho luso e senti-me um pouco diferente da maioria.

 

Perante esta notícia, a minha reação foi de algum ceticismo. Talvez por viver muito perto do Porto e por me sentir cada vez mais desiludida por perceber que a minha cidade de sempre perdeu, nos últimos anos, muito do que tinha, para se "vender" a um universo estrangeiro, não recebi esta notícia com grande entusiasmo. A verdade é que - e referindo-me particularmente ao Porto - por me ter apercebido de como, nos últimos anos, a cidade tem ficado cada vez mais estrangeira e menos portuguesa, e cada vez mais turística ao invés de manter a sua essência, me tenho desiludido continuamente. Antigamente, tinha por hábito fazer passeios pontuais ao Porto e explorar os cantinhos da cidade a pé, mas fui deixando esse projeto para trás, porque as coisas mudaram muito - e para pior. Lanchar ou jantar no Porto tornou-se um luxo, os menús mudaram muito e são cada vez menos concordantes com a tradição tripeira, não há uma rua sem um hostel, cada vez há menos moradores portuenses e mais airbnb, ... Enfim, há uma massificação quase doentia do turismo e sentimo-nos todos ovelhas do mesmo rebanho a ser encaminhados para os mesmos locais de recolha e pastagem. E eu detesto sentir-me assim.

 

Se isto acontece no Porto, a minha impressão é que em Lisboa a coisa está mesmo pior. Há uns dois ou três anos fui à capital pela última vez e, apesar de genericamente ter gostado, não me identifico nada com algumas realidades. Mais uma vez, senti que a cidade tem vindo a perder a sua essência, para se "mostrar" e vender a um universo estrangeiro, que alimenta os seus bolsos - e o seu orgulho.

 

Se ganhar estes prémios, como forma de reconhecimento, é bom ou mau, não sei bem dizer. Sinto-me orgulhosa por sermos mundialmente distinguidos, mas receio que o efeito perverso da coisa se possa vir a revelar. O país de brandos costumes e à beira-mar plantado começa, agora, a ser redescoberto e a aparecer nas machetes mundiais. A tranquilidade e paz que nos caracterizam vão, progressivamente, ficando "perturbados" com estas distinções e receio mesmo que possa atrair o que não deve para o nosso canto. Fora tudo o que pode daqui advir, temos um pouco da nossa identidade a ficar lentamente para trás e a ser substituída por valores que apenas fazem brilhar os olhos dos poderosos deste país e frustram muitos dos que realmente gostam do que é seu, desde sempre.

 

Não sou uma pessoa pessimista, mas neste tema em particular tenho muitas dúvidas quanto à emoção que deve acompanhar estes prémios. Talvez um leve sorriso e alguma cautela bastem. Não sei. Oxalá esteja enganada.

 

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.