Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Quer que eu lhe dê...ah, se calhar não!

Eu sou uma rapariga de bom coração. Não é falsa modéstia; é verdade. Tirem as vossas próprias conclusões.

Fui a uma consulta no hospital da minha cidade, que é simplesmente o mesmo que ter a certeza de que vou apanhar uma molha descomunal, se tiver a pouca sorte de estar um dia de chuva (calha sempre, é impressionante!), e que vou pagar muito pelo estacionamento. Tudo isto sucedeu hoje, de facto. No entanto, a consulta foi bem mais rápida do que eu supunha e, quando consegui voltar a entrar no carro (com o devido guarda chuva novo com todas as varetas partidas, com a roupa e os pés encharcados e com um cabelo de que é melhor nem falar), lembrei-me que o meu ticket de estacionamento ainda tinha meia hora para ser usufruído. Vai daí, resolvi esperar um pouco até chegar um carro que quisesse estacionar por ali, o que aconteceu em menos de um minuto. A minha ideia é que esta pessoa não tivesse que pagar nada e pudesse tratar dos seus afazeres, aproveitando a meia hora que eu lhe daria de mão beijada. Feita boa samaritana, ia a sair do carro, a chover a cântaros, para dar o meu ticket ao condutor do tal carro, mas rapidamente voltei atrás nas minhas intenções. O dado senhor é, aparentemente, um rebelde de cabelos brancos e resolveu desafiar o universo, saindo a correr com uns documentos na mão, sem guarda chuva e sem se dirigir à máquina de pagamento. Pensei que aquilo poderia ser uma mensagem lá de cima a dizer-me para estar sossegadinha e deixar de me preocupar tanto com quem não se preocupa consigo mesmo e seguir a minha vida, que tinha muito para tratar. E pronto, segui as ordens, amarfanhei o bilhetinho e continuei a minha jornada. Foi pena. Imagino como terão ficado aqueles cabelos e aquelas folhas que levava na mão. E talvez a cabeça, porque andavam lá os senhores da Câmara a verificar os talões de pagamento, viatura a viatura. Oooops!