Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

10
Jul18

Se eu sobrevivi a esta reunião de condomínio, vocês também conseguem.

Joana

Quem mora em apartamentos sabe que a parte menos bela da coisa é existir um condomínio. E é menos bela não pelo pagamento (coisa que faz bastante sentido, a meu ver, e que, se bem gerida, é uma boa segurança para imprevistos), mas pelas decisões importantes que se têm de tomar em conjunto. Se estivermos a falar de pessoas civilizadas e sensatas, as reuniões têm tudo para correr bem. Se tal não for o caso - que é o mais provável - a coisa tende a roçar a briga de bairro.

 

Na passada sexta feira, tivemos a terceira reunião de condomínio deste ano, para tentar fi-nal-men-te decidir avançar para obras. Relembro que o nosso apartamento foi o único, no conjunto de quase duas dezenas deles, a ter tido problemas de infiltrações que duraram cerca de um ano, até termos (eu e o J., porque ninguém se mexe quando não lhe chove em casa) encontrado uma empresa que nos solucionou - pelo menos, no imediato - o problema. Desta vez, as obras que precisavam de uma decisão definitiva eram para todo o prédio, passado o período de teste que aqui as vossas caras cobaias tiveram o privilégio de viver e ultrapassadas as dúvidas que poderiam existir.

 

Só que - claro! - nunca há reuniões 100% pacíficas. As nossas são sempre muito longas, mas genericamente têm contado com alguma sensatez e participação e todos acabam, de uma forma mais ou menos acentuada, por se dar bem e ir para as respetivas casas a sorrir e a fazer leves piadas. Ou seja, ainda valia a pena acreditar num mundo bom.

 

O volte face ocorreu, todavia, nesta tão prazeirosa reunião de condomínio na sexta feira, em que uma proprietária de uma loja começou a "disparar" em todas as direções, a ser grosseira, provocatória e mal educada e a manifestar o verdadeiro tamanho do seu caráter. [Que caráter?] Estava toda a gente a ficar nervosa, sem paciência e pronta a explodir com ela. Foi vergonha alheia do pior. A coisa ficou bem turva, quando ela disse que se estava pouco a importar para o prédio e só queria que lhe resolvessem o problema da loja, que isso é que interessava. Pronto, estava tudo dito. Eu sou uma pessoa calma e pacífica - mas só até me "pisarem os calos". Fui enchendo, enchendo, enchendo... até ela se virar para mim. E aí teve a sua resposta. Enquanto gritava para mim, à minha frente, me apontava o dedo e me mostrava uns olhos esbugalhados cheios de raiva, comentou que eu era mal educada e começou a fazer imitações de mim a falar. Não sabe com quem se meteu. Levantei-lhe a voz, obriguei-a a calar-se por momentos e ouviu, da minha voz possuída de nervos, que ela, sim, era uma mal educada e uma ingrata, porque as pessoas estavam naquela reunião há duas horas a discutir o problema dela, quando o objetivo era discutir as obras para todo o prédio (coisa que demorou 10 minutos no todo, se tanto), pelo que deveria reconhecer isso, ao invés de atacar tudo e todos e comprometer o sucesso da decisão conjunta, que depende do dinheiro de todos. E acrescentei que na nossa casa choveu nos quartos durante um ano. Não foi uma loja que ficou danificada, foram dois quartos. Foi a nossa vida de recém casados. Foi a incapacidade de usufruir de uma casa acabada de comprar. Foi a nossa saúde (estivemos doentes diversas vezes nesse ano). Foi o nosso bem estar. Foram os nossos projetos adiados. Foi a nossa felicidade. E ela calou-se. Ficou a bufar, mas calou-se finalmente. Ao fim de duas horas.

 

Se bem que eu seja apologista da calma, cortesia e sensatez para lidar com tudo e com todos, aqui não foi possível. E acho que o que resolveu a questão foi ela perceber que não ia apanhar moscas com vinagre, e não - como idealmente seria desejável - uma carga de bom senso que tenha descido sobre a sua cabeça. [Era pedir demais, Deus não é assim TÃO magnificente]. Como não há milagres, o meu mais profundo desejo é não voltar a ver a cara desta mulher tão cedo à minha frente e que ela passe a fazer parte daquela camada da sociedade que não vai às reuniões de condomínio. Não faz falta nenhuma, reduz o risco de sofrer de um AVC e até ganha menos cabelos brancos. Só coisas boas.

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Instagramem-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Bloglovem'me