Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

07
Mar18

Vamos ser educadinhos, andem lá!

Joana

Tinha um colega que dizia que o verdadeiro caráter de uma pessoa se revela ao volante. E acaba por ter razão. Dizia ele que, mesmo a pessoa mais educada, facilmente se "desmanchava" enquanto conduzia e tudo o que ela realmente era viria, nesse contexto, sempre ao de cima, pois o filtro perde-se a partir do momento em que nos sentamos no lugar do condutor. De certa forma, dou-lhe razão, porque há ali qualquer coisa na condução que nos tira, efetivamente, algumas camadas de sensatez e nos faz disparatar sem grande limite.

 

Eu sou uma pessoa bastante calma ao volante, mas confesso que, de vez em quando, me enervo com a burrice de alguns condutores. É a falta de raciocínio a conduzir que me incomoda, pouco mais. O problema é que esse pequeno grande pormenor impera por muitos lados e pessoas. Considero-me uma boa condutora, sensata e disponível para facilitar a vida dos outros condutores. Mas há pessoas e pessoas - e dias e dias - e nem sempre a coisa é tão tranquila como desejaria. No entanto, pauto sempre a minha condução (e vida, genericamente) pela cortesia, porque acredito que ela abre portas a um bem estar que, efetivamente, me sabe bem.

 

Não há muitas coisas que me agradem tanto - e surpreendam, infelizmente - do que ver a boa educação ao volante. Uma pessoa que nos faz delicadamente um gesto de prioridade, que nos faz aquela leve inclinação de cabeça e nos sorri para nos dar passagem, que nos dá os quatro piscas em tom de agradecimento ou que nos agradece sempre que lhe é dada a prioridade ou passagem é logo outra coisa. Isto aplica-se a condutores e peões. De tão rara que é, esta educação e cortesia tornou-se, aos poucos, em algo digno de nota e que, quando surge, nos deixa um certo conforto no coração. É triste, eu sei, mas esta coisa do cosmopolitanismo, da vida acelerada, da formiga a ir no carreirinho faz-nos levar a coisa num estado tão "adormecido", quase em piloto automático, que nos faz esquecer o que é importante. E a delicadeza é e será sempre importante - haja a pressa ou o stress que houver. Não custa nada sermos bons cidadãos e respeitarmo-nos, ao invés de levarmos os nossos batimentos cardíacos aos píncaros e despejarmos listas de palavrões sem dó nem piedade, por tuta e meia. A educação tem sempre lugar. Sempre. E os nervos ao volante são sempre dispensáveis. Deixemo-nos, pois, de desculpas.

 

E vocês? Como condutores, como se definem?

 

 

[Um dia destes, ainda lanço um movimento nacional em defesa da cortesia na condução. Registem.]

 

 

 

4 comentários

Comentar post