Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

Verde Vermelho

Podia ser um blog sobre Portugal. Podia ser um blog sobre mim. Podia ser um blog sobre coisas boas e más. Podia ser um blog humorístico. Podia ser um blog a tentar ser humorístico. Podia ser um blog sobre qualquer coisa. Pois podia.

21 de Julho, 2014

Voltar a onde se foi feliz ou deixar cada coisa no seu tempo próprio?

Joana
Há dias, numa ida ao Facebook, fui surpreendida com a criação de um evento dinamizado por ex-colegas meus de turma e escola: uma dos mui afamados jantares de reencontro de alunos. Torci logo o nariz, porque tinha lá o convite chapado à minha frente e não me apetece mesmo alinhar. Não sou nada apologista destas coisas, confesso. Não é ser antissocial, é achar que tudo tem o seu tempo próprio e que esses reencontros ao género "10 ou 15 anos depois", regra geral, só me trazem desilusões. As pessoas mudam muito, a vida leva-as por caminhos diferentes e tornam-se seres humanos naturalmente diferentes, bem sei. O que me incomoda mais é que, nesses eventos, por regra, todos querem parecer o que não são e a futilidade e o espalhafato vêm ao de cima. O que vemos ali não é a realidade (nalguns casos, felizmente!) e está tudo a querer mostrar que não "falhou" na vida, mesmo se a vida não lhes sorriu como era esperado ou merecido. Acho estes jantares uma fantochada e um teatro pegado, e não é coisa com a qual me identifique minimamente.

Ao falar com um grande amigo meu da altura que se mantém até hoje, confirmei que não sou a única e que ele também não alinha neste tipo de iniciativas, pelos mesmos motivos. Fiquei mais descansada. Contra a grande maioria que adora estes reencontros, não sou uma raridade por não gostar de alinhar nesta coisa forçada que é fingir que tudo está na mesma, que somos todos amigos e que seremos inseparáveis a vida toda. Quem quis tornar-se inseparável, fez por isso e não deixou que os contactos se perdessem ou que a vida os afastasse de quem queriam ter perto de si. Esta é a minha ideia.

Para esta minha atitude também contribui o facto de ter, ao longo destes anos, encontrado várias pessoas desse tempo e de ter manifestado um enorme entusiasmo por as reencontrar e, em resposta, apenas receber secos "sins" e "nãos" e uns quantos comentários sobre trivialidades sem interesse. Porque haveria agora, da parte deles, haver essa súbita curiosidade e alegria em me reencontrar? Uma das situações mais crassas foi, aliás, com uma professora minha da época que, por sinal, eu adorava e me tinha sempre ajudado muito a não desistir dos meus sonhos profissionais. Um dia, ela entrou pela porta da minha empresa a propor-se colaborar como professora. Mal a reconheci, fiquei extasiada e falei com ela com uma imensa alegria e até emoção; ela, pelo contrário, foi do mais "seco" que podia ser, focou-se unicamente no seu propósito de ir entregar o CV e saiu. Falta de humildade? Má educação? Pressa? Enfim, não percebi, mas nesse dia fiquei mais do que triste, como imaginam.

Enfim, esta e outras situações fazem-me crer que as coisas têm o seu tempo próprio e que, de facto, não deveremos voltar uma segunda vez ao "lugar" onde fomos alguma vez felizes. Cada coisa no seu tempo. E se hesitar, basta pensar que sempre que caí na tentação e acreditei que os outros estariam na mesma sintonia que eu, desiludi-me. Posso parecer antissocial, mas apenas estou a ser fiel a mim mesma. Assim sou mais feliz.

Como reagem vocês a estes reencontros? Participam? Gostam? Concordam comigo ou são o oposto de mim? ;)


(Hei de continuar esta questão do Facebook e dos amigos num outro post, está prometido!)


4 comentários

Comentar post